Não

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Não vi uma luz.
Me enganei.
Tenho nojo do que me tornei.
Sentimentos que herdei.
Não há mais algo que se possa verdadeiramente chamar de vida.
O coração bate fraco.
Amor é um espaço vazio.
Um cadáver que anda e respira.
O fim para o que teve começo.
Cansei disso.
Cansei de mim.
Não quero mais me lamentar pensando em como poderia ter sido.
Palavras assim me mostram o quanto sou fraco.
Não nego.
Não mudo.
Não quero mais.
Peso demais pra um só.
Estou impedido.
Não há quem salvar.
Não há quem me salve.
E tudo voltou a ser pó.

0 comentários:

Postar um comentário